Pular para o conteúdo principal

As perspectivas da produção industrial brasileira

Diante das questões colocadas em artigo anterior, quais são as perspectivas da produção industrial brasileira?

O que se propõe aqui não á uma avaliação macro, mas uma avaliação das estratégias dos industriais ou das empresas industriais diante das novas circunstâncias do mercado.

O dado inicial é que o tamanho e a evolução - ainda que lenta - do mercado interno torna interessante a participação das empresas com produtos industriais nesse mercado.


Em primeiro lugar é preciso separar o micro e pequeno industrial que produz para suprimento local, com baixa escala e baixa tecnologia, mas está - relativamente protegido pela pequena escala e eventuais dificuldades logísticas. Tais dificuldades limitam o interesse das grandes empresas. 


Já a partir da média para a grande empresa de produtos industriais, o empresário que já conquistou mercado como seu produto associado à sua marca, pode continuar focando no produto ou na marca. O foco no produto está, fundamentalmente, associado ao preço. Ele conseguirá manter-se no mercado se tiver preços competitivos. Com uma fabricação asiática a custos muito mais baixos do que a brasileira, a sua possibilidade de concorrência está em barreiras que podem ser institucionais ou físicas, principalmente da logística. Isso praticamente limita à transformação de insumos locais para consumo local.


Para produtos de melhor qualidade ou diferenciado o industrial os associa à sua marca e, nesse caso, pode produzir local ou internacionalmente. A sua decisão está relacionada com o custo do produto colocado em algum local estratégico do território nacional, para suprimento ao seu mercado.


A questão crucial, já indicada anteriormente, está no entendimento legal sobre terceirização, envolvendo a sua criminalização. As razões contrárias decorrem do jogo sindical e não de uma perspectiva de estruturação das atividades produtivas.


O fato é que a terceirização é uma realidade, aplicada fartamente, com diversos nomes.


Um dos principais terceirizadores é o Estado que vem transferindo atividades-fins, inerentes às suas atribuições ao setor privado. Na saúde, mediante convênios com Organizações Sociais e similares. Nas rodovias mediante concessões. Transferir a construção e operação de rodovias, um serviço público tipico, é uma terceirização. Mas como envolve poucas mudanças sindicais, é pouco contestada, o que não ocorre com a saúde.


Por outro lado a terceirização está muito relacionada com a precarização das relações de trabalho. A principal razão que levou e ainda leva muitas grandes empresas a terceirizar parte do seu processo produtivo é a redução de custos. Os empresários terceirizados, para conquistar os serviços ou contratos aceitam vender por preços menores e transferem a compressão dos custos à remuneração do trabalhador ou às suas condições de trabalho. Em outros termos, precarizam as condições de trabalho, muitas vezes fugindo da CLT.


Esse processo real de precarização é o que dá sustentação aos sindicatos e outros opositores à terceirização. 


O equívoco está em combater o meio para atingir os fins. O que precisa ser combatido diretamente é a precarização e não um dos meios que o favorece.


Esse combate está nas ações pelo trabalho decente. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.