Pular para o conteúdo principal

A falsa percepção do "interesse público"



O setor público passou a aceitar a parceria público-privada, em diversas modalidades de concessões ou contratos, mas tem enfrentando sucessivos fracassos, dado o desinteresse dos eventuais concorrentes às parcerias.

O setor privado está deixando de participar das licitações com receio do que as autoridades e servidores públicos denominam de "prevalência do interesse público". Raros servidores públicos passaram antes pelo setor privado. A maioria das autoridades públicas também. Tem em relação à lógica privada uma concepção simplista quando não preconceituosa: o setor privado só que ter lucros, sempre maiores. Ao ver deles, admitem o lucro, porém acham que, em nome do interesse público, devem conté-lo: limitam o valor das tarifas, definem taxas de remuneração baixas e quando não dá certo, acham que melhorando essas taxas recuperará a interesse, o que não tem ocorrido.

Por que?

Porque a lógica privada trabalha com um fator fundamental que é o risco. Pode-se ganhar muito, mas também pode-se perder muito. O preconceito público acha que se o empresário quebra é porque foi ganancioso demais ou foi incompetente na gestão. Então para preservar o interesse público quer a gestão pública plena ou se parcial, com direitos excepcionais. E ai que estão os maiores problemas atuais.

Se existe o risco a visão equivocada do Poder Público é ampliar a gestão pública para assumir os riscos. Só que só aumenta a perspectiva de risco.

O setor privado não confia na gestão pública: aceita colocar os seus recursos, fazer as sociedades, porém com a gestão do negócio (para ele é sempre um negócio, concepção que a lógica pública não aceita) plena sua. Percebem que a gestão pública, além de mais incompetente, está sujeita a excessivos controles que tem travado investimentos ou mesmo atividades operacionais. Os Tribunais de Contas são os principais pesadelos do interessado privado.

Essa é a razão fundamental pela fuga do setor privado em relação às pretendidas concessões de ferrovias, da exploração do petróleo do pré-sal e também dos aeroportos. A mídia não publica, mas aqueles que conquistarm as primeiras concessões de aeroportos não está satisfeitos com as relações com a Infraero, um sócio obrigatório e os novos não estão confortáveis com essa sociedade. Mas o poder público continua achando que devem manter a interferência de um órgão público.

Essa participação pública é vista pelo setor privado como uma concessão de Governo e não de Estado. Essa história de ser uma ação de Estado e não de Goveno é reiteramente repetido, porém as autoridades públicas só raciocinam com o seu mandato. E atualmente há o risco do "aparelhamento", com a captura de cargos públicos por pessoas sem a necessária competência técnica ou gerencial. .

No caso das rodovias a percepção de risco é outra: é a insegurança jurídica, em que novos governantes não respeitam os contratos firmados, contando com o apoio popular. Podem ganhar na Justiça, mas enquanto isso ficam fora do negócio. "Vender" os negócios em luxosos seminários no Exterior, até consegue atrair o interesse e muitos cartões de visita são recebidos. Por que o Brasil ainda é, para os empresários e investidores uma "moça bonita". Mas que eles estudam as reais condições das parcerias não querem "casar". Alguns até marcam o casamento, mas deixam a noiva "esperando no altar".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…