Pular para o conteúdo principal

Planejamento estratégico x participativo

Nas discussões sobre as questões urbanas há um grupo que denominaria de "novayorkistas" que usa exemplos parciais de Nova York para defender a sua aplicação em São Paulo.
Só que não defendem o todo, mas uma parte da maçã: a que lhes convém.
Não são defensores do adensamento altamente verticalizado, como ocorreu e continua ocorrendo em Nova York, sendo o novo edifício em substituição às Torres Gêmeas um exemplo emblemático.
Recentemente trouxeram a São Paulo um dos seus gurus (ou seria, segundo Dilma uma gurua): a Secretaria dos Transportes de Nova York, com fotomontagem de Times Square.
O calçadão deu certo em Curitiba e deu errado em São Paulo. 
Em Curitiba ajudou a desenvolver o comércio de rua, tornando a área um shopping center a céu aberto, onde estão - também - as mesmas lojas encontradas nos grandes centros comerciais e várias outras.
Dei uma entrevista às 7 hs da manhã, lá.
Já em São Paulo, o calçadão ajudou a expulsar a riqueza que foi primeiro para a Av. Paulista e depois migrou para às bordas do Rio Pinheiros, onde se concentra o comércio de luxo do Brasil, pretendendo concorrer com Nova York.
O comércio de alta renda foi substituído pelo comércio popular e a questão hoje é menos de revitalização do centro histórico, mas de conter o processo de degradação continuada. 
A solução dos calçadões, com restrição aos carros só funciona em cidades com uma população predominantemente de classe média. Curitiba ostentava essa condição, quando foi implantado o calçadão e o mesmo Prefeito que promoveu Curitiba o degradou quando, como Governador, promoveu a industrialização e trouxe uma imigração de mão-de-obras para as construções, que depois de terminadas as obras não retornaram às suas origens. 
Mas Curitiba é uma das poucas capitais que conseguiu manter a vitalidade do seu centro histórico, o que não ocorreu com Salvador, Fortaleza, João Pessoa, Recife, Vitória, Rio de Janeiro e outras, só citando as que visitei neste ano de 2013. 
Só remanesceu uma capital de classe média, onde os mecanismos de estímulo aos deslocamentos não motorizados podem ser eficazes, apesar de enfrentar um grave problema de sazonalidade: Florianópolis.
Goiânia, estatisticamente ainda poderia ostentar a condição porque a pobreza se concentrou nos municípios vizinhos.
Nova York, ou pelo menos a Ilha de Manhattan é uma cidade de classe média, convivendo com a alta riqueza.
Lá quando se propõe edifícios residenciais de uso misto, com ocupação de diferentes níveis de renda está se falando de juntar a classe A, com a B e quando muito com a C. Não envolvem as classes D e E, que são minorias.
Aqui no Brasil, quando se cogita em trazer o modelo se imagina juntar a classe A ou A+, AAA. com a faixa 1 do Minha Casa Minha Vida: até 3 salários mínimos, o que é pouco viável.
Procura-se importar soluções externas sem a devida"redução cultural".
Não há possibilidade de revitalizar o centro sem promover o retorno da riqueza. O centro da pobreza é uma cidade degradada, além de violenta.
E a riqueza não retornará, nem mesmo eventualmente se não contar com acesso e estacionamento para os seus veículos. 
A grande ilusão dos "novayorkistas" é que a riqueza brasileira ande de metrô.

Comentários

  1. Professor, o que o senhor acha de projetos como esse? São realmente viáveis, ou apenas um pouco mais de prosopopéia flácida para embalar bovinos?

    http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/09/prefeitura-de-sp-avalia-17-propostas-para-arco-tiete-mudar-entorno-de-rio.html

    ResponderExcluir
  2. O desenvolvimento urbano do lado esquerdo do Tietê, considerando a direção para o interior, já estava prevista nas gestões anteriores e está em andamento. Irá se efetivar em função do interesse privado.
    Mas por razões do marketing politico-eleitoral o atual Prefeito ampliou o território do projeto, apelidado pelo João Santana de Arco do Futuro. O Prefeito já desistiu da margem direita (norte) e não vai conseguir implantar o conjunto, determinando um desperdício de recursos públicos e privados. O setor imobiliário tem outras prioridades, embora diversificadas, no conjunto não tem folego suficiente, tampouco demanda. Vai gastar dinheiro com os estudos quem quer perder.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…