Pular para o conteúdo principal

Miopia num mundo globalizado


Há um grande consenso dentro da opinião publicada de que estamos num mundo globalizado. Mas ao tratar do planejamento ou apenas da reflexão sobre o futuro da cidade poucos avaliam o seu papel nesse  mundo.
Ter um papel no mundo significa estar conectado fisica ou virtualmente com outras partes do mundo, sendo a cidade tanto mais globalizada quanto for a quantidade (e também a qualidade) dessas conexões.
Pode ser a base de uma produção industrial de âmbito mundial, como de serviços ou de idéias. Pode ser um ponto logístico relevante, dentro de um grande fluxo mundial.
Mas ao discutir o futuro da cidade predominam as visões provincianas, focadas no desenho físico da cidade e a da (i)mobilidade, com a perspectiva do dia-a-dia ou do curto prazo.
Quais são as oportunidades de Fortaleza, no Ceará, ser um lugar no mundo? Quais seriam as suas vocações ou vantagens competitivas?
Neste momento (06/09/2013) estou em Fortaleza, no Hotel Gran  Marquise, instado a sair dentro do programado, sem qualquer possibilidade de extensão, porque chega a Beyoncée e sua trupe, assim como turistas que vem para vê-la, no Castelão, no próximo domingo.
Com a nova arena, Fortaleza já se tornou um ponto importante para os shows internacionais. Já recebeu Paul McCartney e agora Beyoncée. Pela cidade também passou a Jennifer Lopes.
Ser uma das poucas cidades escolhidas para os eventos internacionais, torna Fortaleza, um ponto conhecido no mundo, de forma sustentável?
O que a cidade ganha com isso? Ou, de outro lado, o que pode perder?
Esses shows são forma de captação da renda local. Os que pagam os ingressos, destinam uma parte da sua renda pessoal, para formar um "bolo de dinheiro" do qual a maior parte vai para o exterior. É uma forma de importação.eiro
A hotelaria e a gastronomia local, capta uma parte dessa renda e ainda ganha com a vinda de turistas de outras localidade que virão para assistí-la. Nesse caso, economicamente significa uma exportação. Para a cidade o balanço será positivo. Se os turistas forem todos brasileiros, haverá uma compensação regional, com resultado nacional negativo. Os promotores levarão mais dinheiro do país do que trarão.
Mas a repercussão internacional da presença de uma pop star pode gerar o interesse de fans e de outros pela cidade. Da mesma forma que jogos da Copa das Confederações, já ocorridos, e da Copa do Mundo, em 2014, podem gerar.
Os eventos internacionais são uma forma de tornar a cidade mais conhecida internacionalmente. Mas o que ela ganha com isso?
Ganhará se souber se transformar num significativo polo de atração para o turismo internacional. Não apenas dos turistas para os eventos, que são esporádicos, mas de fluxos mais permanentes.
O que então, Fortaleza tem a oferecer de condições competitivas aos turistas internacionais. Que turistas, de que origem, com que recursos?
Para o show de Beyoncée, Fortaleza poderia receber turistas da Venezuela, Colômbia e de outros paises vizinhos ao Norte, mas essa demanda deverá estar prejudicada por questões logísticas. Esses turistas terão que se deslocar até Brasilia, São Paulo ou Rio de Janeiro, para chegar a Fortaleza.
Fortaleza tem uma excepcional posição geográfica em relação ao grandes centros emissores  do turismo internacional, mas não transforma essa vantagem teórica em vantagem real: o que importa é ser um ponto logístico relevante.
Não adiante reformar e embelezar o aeroporto, sem ter voos, sejam nacionais como internacionais.
Não adianta estar próxima da Europa, sem porto adequado.
Não adianta estar próxima ao Caribe se as  operadoras não estendem as suas rotas até Fortaleza.
Fortaleza e entorno tem belezas naturais. Mas quais são os seus diferenciais em relação a outros litorais?
O Ceará é o principal ponto de conexão dos cabos submarinos que permitem a conexão internacional de dados, mas não conseguiu montar um polo tecnológico, perdendo a oportunidade para o Recife.
São apenas algumas questões para reflexão e avaliação.
O futuro de Fortaleza não está na resolução de problemas domésticos, mas de uma opção fundamental: continuar sendo apenas, embora importante, ponto turístico nacional ou buscar ser um ponto importante do turismo internacional.
E apenas para registro, para reflexões posteriores: que vantagens o Ceará poderá auferir do sol e do vento, como fontes de energia?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.