Pular para o conteúdo principal

É carestia, mana!

Aécio Neves fica em desvantagem perante Dilma, no discurso, por usar uma linguagem inapropriada perante a maioria dos eleitores. Esses são mais simples, pobres, aspiram melhorar de vida, a curto prazo, e não entendem a linguagem dos economistas.

Aécio, adotou uma estratégia objetiva para acalmar o mercado. Anunciou antecipadamente quem seria o seu Ministro da Fazenda. Um nome respeitável aceito pelo mercado: Armínio Fraga. 

Mas esse lance acabou por virar um dos principais alvos do ataque petista, por configurar um agrado aos banqueiros e ricos. 

A estratégia petista deu certo na desconstrução de Marina Silva e está dando certo com Aécio Neves. Por incompetência dele. Pelo tratamento e linguagem errada do tema inflação.

Para os economistas, para os banqueiros, para os ricos, para os mais ilustrados, enfim para a opinião publicada - a que pauta a visão e o discurso de Aécio - existe a inflação, um dos maiores problemas da economia.

O "povão", os pobres, os menos ilustrados não sabem o que é inflação. Ouvem falar, mas não entendem o que quer dizer IPCA, IGP, centro da meta e outras construções sofisticadas que os "ricos" criaram.

Mas sabem muito bem o que é CARESTIA. Carestia é a sensação de que tudo está mais caro. Que a carne subiu, que o leite subiu, que o pão subiu. A cebola subiu. O pior a cerveja subiu. Com todo esse calor.
E que não dá para comprar hoje o que se comprava ontem com o mesmo dinheiro. 

Ele quer que o Governo combata a carestia. Ele quer que o Governo garanta que o preço da carne, amanhã, não vai ser maior do que o de hoje.

Carestia o povo entende e não é preciso explicar. Ele vive no dia a dia e não quer saber o que é preciso fazer para garantir a manutenção dos preços.

Já inflação é um ser imaginário que ele vai só vai entender pelo que lhe é contado e forma na sua mente um entendimento, uma versão, uma imagem.

O PT, com sucesso, vende a imagem de que o combate à inflação é feita por desemprego e arrocho salarial.  Traz à lembrança do que teria sido feito antes no Brasil e o que é feito por outros paises, para combater a inflação.

Dilma é bem sucedida na mensagem, montada com o seu marketeiro, de que a inflação não está descontrolada e que o seu adversário inventa uma situação para promover o aumento dos juros, para beneficiar os banqueiros, e prejudicar os trabalhadores - que terão arrocho salarial - e desemprego.

Dilma teve que segurar essa munição, porque os não havia segurança com relação aos dados de emprego formal e de desemprego, com impacto sobre a sensação popular.

Não há a sensação de desemprego, a menos nos principais centros industriais, como o ABCD paulista e outros polos onde a indústria automobilística se instalou.

Os dados lhe foram favoráveis, com o CAGED mostrando uma criação de empregos formais, ainda que menores que o ano e meses anteriores. Pouco importa a comparação. O que importa é que continuou crescendo, superando a sensação de desemprego. O mesmo vale também em relação ao índice geral de desemprego. Outra construção dos economistas, essa em âmbito mundial. 

Para efeito eleitoral, o que importa é o imaginário popular: o que existe para o povo é CARESTIA, que segundo Dilma a culpa é da seca. Quando voltar a chover os preços vão cair e os produtos vão ficar mais baratos.

Já a inflação é um pretexto para dar mais dinheiro aos banqueiros.

O que vale não são os fatos, ou a interpretação técnica dos mesmos.O que vale para o eleitor é a imagem que ele absorve. 

É na briga em torno do "imaginário popular" que Aécio Neves corre o risco de ser derrotado, embora esteja com a verdade, contra as falsidades da adversária.

Se perder será por incompetência e por erro estratégico.

Mas ainda há tempo para corrigir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…