Pular para o conteúdo principal

Resistências nesta primeira semana

Os primeiros dias da campanha presidencial do segundo turno foram de resistência. Os candidatos se prepararam para se defender dos ataques do adversário e não perder posições. Ambos foram bem sucedidos nessa estratégia, com ligeira vantagem para Dilma Rousseff.

Cada qual perdeu apenas um ponto entre a totalidade dos votos, com aumento dos brancos e nulos o que significou que muitos ficaram mais inseguros em relação ao seu voto, sendo que alguns - diante da guerra - não estão dispostos mais a votar em qualquer um deles.

Dilma foi melhor sucedida porque só perdeu um ponto, numa conjuntura mais desfavorável, cheia de má notícias e sem nenhum fato novo positivo a menos do que é alardeado na sua campanha, ou da neutralidade parcial de Luciano Genro.

Aécio perdeu mais, porque os supostos ganhos com os apoios recebidos, dos demais partidos, da família de Eduardo Campos e de Marina Silva, foram anulados pela campanha negativa de Dilma. O saldo final foi negativo, com a perda de um ponto. 

Dilma perdeu na semana por 1x0, Aécio perdeu de 4x3. Fez gols, mas levou também. Só os indecisos ganharam.

A principal estratégia de Dilma foi de tentativa de desconstrução da reputação e imagem pessoal do seu adversário. Procurou mostrar que ele não é um bom gerente, tampouco foi um bom governante, como alardeia, tendo o derrotado no primeiro turno em Minas. As explicações podem ser muitas, mas o fato é irrefutável: são os dados oficiais do TSE.

Insistiu na imagem de  mau uso dos recursos públicos (improbidade) reiterando o caso do Aeroporto de Cláudio. Tentou grudar a imagem de nepotismo, no qual foi prontamente rechaçada. Essa bola chutada a queima roupa Aécio conseguiu defender. Mas há pontos pessoais que ainda serão exploradas.

A campanha de comparação entre as gestões PT e PSDB tem um efetivo relativo, mas serviram para barrar um eventual crescimento de Aécio.

Nesta semana, afinal Dilma teve algumas boas notícias. A queda dos preços internacionais do petróleo, é má para a Petrobras, a médio e longo prazo, mas boa para ela, para o Brasil e para Dilma a curto prazo. Reduz, de momento, o déficit da empresa e da balança comercial. 

A geração de empregos formais em setembro foi baixa, mas ainda positiva. Não será suficiente para compensar os valores negativos que ocorrerão em outubro, em dezembro e eventualmente em novembro, como ocorre em todos os anos.  Mas esses resultados só ocorrerão após as eleições.

Aécio tem ficado mais na defensiva, defendendo programas e no debate não bateu pesado na corrupção da Petrobras. Aparentemente está guardando os golpes mais pesados para o final da campanha, para grudar na adversária a imagem de conivente com a corrupção.  O que ela tem tentando escapar a todo custo. 

O jogo segue empatado.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…