Pular para o conteúdo principal

A incompetência vendida como competência


Estabelecido um clima de "guerra" com a ação ofensiva do PT para inviabilizar uma candidatura forte de Marina Silva e o seu contragolpe, unindo-se a Eduardo Campos, as estratégias de cada qual serão decisivos para os rumos do processo eleitoral, ainda na fase de "entressafra".*
No processo estratégico, para ganhar as batalhas não basta ter estratégias corretas. É preciso contar com eventuais erros dos adversários.
Uma das vantagens da dupla Eduardo-Marina será o erro estratégico da  dupla Lula-Dilma que irá insistir - segundo as primeiras notícias da reação do Governo - numa imagem positiva de Dilma que é, na realidade, o seu maior fracasso.
Ela vem demonstrando que a imagem de realizadora, de mãe do PAC não resiste e não irá resistir aos atrasos e paralisações das obras do PAC e das obras para a Copa, mesmo com o sucesso da construção dos estádios.

Lula que sempre foi um líder político, mas nunca um gerente, tinha em Dilma a sua principal executiva, com a sua dedicação e estilo assertivo e voluntarioso, um estilo ainda muito aceito popularmente, mas condenado pelos especialistas em gerência: "quero por que quero"; "quem manda aqui sou eu"; "manda quem pode, obedece quem tem juízo".
Esse estilo de "marechal", no campo empresarial, tem levado muitas empresas à falência e substituído por estilos mais participativos, sem quebra da autoridade e responsabilidade do executivo principal.
Com Lula na Presidência, esse estilo Dilma era mitigado pela compensação "dirigente mau e dirigente bom". Dilma fazia o papel da má e Lula o bom. Quando ela assume a Presidência, sai o homem bom capaz de conciliar, permanecendo apenas a má. A reação de quem "tem juízo  é "fazer de conta que obedece", mas nada faz e se esmera nas desculpas para explicar porque não fez. O gigantismo da máquina estatal, e a burocracia permitem que a maioria dos subordinados se esconda e faça as coisas como bem entender.
De forma similar ao Plano Real que promoveu uma ampla inflexão na economia e sociedade brasileira rompendo o ciclo inflacionário, o PAC 1 emergiu sobre um quadro então existente de falta de investimentos públicos em infraestrutura, por carência de recursos. O grande volume de investimentos, mesmo com atrasos generalizados, mudou o quadro e trouxe a impressão de uma nova condição gerencial. Chamava atenção o que era feito. Só era mostrado o lado bom. O que estava atrasado não se mostrava.
Agora não dá para esconder os atrasos, o que deixou de ser feito.
2014 é o ano da Copa. O Governo se esmerará em mostrar os estádios prontos. Será real. Mas o outro lado mostrará as obras de mobilidade urbana atrasadas, que também será real. 
O Governo insistirá em mostrar o "estilo Dilma" como símbolo de competência, os outros que é o simbolo da incompetência.  


* O processo eleitoral tem dois períodos básicos: a safra e a entressafra. O período da safra ocorre às vésperas dos dias das eleições (1º e eventualmente 2º turnos) que são os dias da colheita, quando o eleitor sufraga o seu voto.
Nesse período a opinião pública toda é mobilizada tanto pela campanha direta, como pelos programas obrigatórios pelo rádio e televisão, quando os candidatos se tornam efetivamente conhecidos, com sua figura, propostas e colocações. É quando, efetivamente, os eleitores fazem a escolha entre aquele que mais diz ao seu "coração e mente".
Fora desse período, o que predomina é a opinião publicada, ou seja, aquilo que é divulgado pela mídia e que só alcança uma parte do eleitorado. O termômetro da opinião pública é a pesquisa de intenção que é apenas um indicador, com margens de erro reais, muito superiores ao declarado pelos institutos, dada a diversidade de condições e comportamentos num imenso país, cheio de desigualdades. Mas quem lê os jornais ou acompanha o noticiário e os comentário pela TV acredita que está vendo o universo, quando só está vendo uma pequena parcela do mesmo, com grande poder econômico, mas com influência difusa, cada vez menor.
Esse período da "entressafra" pode ser desdobrada para considerar uma fase de "pré safra", que é a atual, com os candidatos configurados, mas ainda não oficializados, ensejando ainda mundanas ao longo do ano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.