Pular para o conteúdo principal

O maior desafio do planejamento urbano estratégico

O estratégico não é apenas um adjetivo para ser adendado ao planejamento, mas a escolha diferenciada de setores ou territórios que tenham um papel germinador ou estruturador.
Planejamento estratégico não é "politicamente correto". É discriminatório, favorece uma ou outra região em detrimento a outras. Favorece uma visão, contra outra. 
Para ser aceito e escamotear a concepção discriminatória assume algumas posições que corresponderiam ao interesse da maioria, do social ou ambiental sobrepondo-se ao econômico. 

Difere do planejamento integrado que pretendeu um desenvolvimento equilibrado, compreendendo todo os setores e território, sem nunca alcançar os objetivos.

A grande escolha que hoje se coloca é entre adensar ou expandir horizontalmente. 
Há um consenso de que a expansão horizontal é inordenável e o adensamento é o mais desejável, como desenho desejado das cidades no futuro.  No entanto, há divergências sobre o tipo e a extensão desse adensamento. Onde adensar, onde impedí-lo. 
Qual deve ser o limite de altura dos prédios?

Atualmente predomina a concepção da cidade compacta com o adensamento, admitida como a melhor (ou única) forma de resolver o problema da mobilidade urbana.
Mas não é consenso e os órgãos de transporte insistem em investir na melhoria dos sistemas de transporte coletivo para as periferias. São soluções que favoreceram e favorecem a expansão horizontalizada.
São apresentadas com argumentos técnicos, como o atendimento prioritário das maiores demandas ou das demandas reprimidas. Mas na prática só ajudaram, nas grandes cidades, à expansão periférica desordenada. 
Tem o respaldo político, pois o eleitorado da periferia não está disposto a esperar por uma nova conformação da cidade, no longo prazo, mas quer a melhoria da sua condução de imediato.

O planejamento estratégico tem que ser ousado, selecionar as áreas que pretende adensar e implementar os mecanismos para a sua efetivação. Escolhida as áreas prioritárias, a questão seguinte é o que fazer com as demais áreas da cidade.

Adotada essa diretriz as duas questões subsequentes são: quantos centros ou polos devem ser adensados e onde ou quais?

Esses polos devem ser definidos a partir do desejo do planejador ou da dinâmica do mercado?

O desejo do planejador, em geral, é ineficaz porque ele desconsidera as condições reais da dinâmica do mercado, assumindo simplificações que não correspondem à realidade. Ao contrário do que ele imagina  o mercado imobiliário não se move apenas pela especulação imobiliária. 

Seguir as opções do mercado imobiliário nem sempre corresponde às melhores soluções para a implantação das prioridade de infraestrutura pública.

Mas, como quem efetivamente constrói a cidade é o mercado, dentro do sistema econômico e politico vigente, o planejamento tem que buscar ordenar as iniciativas do mercado.

Dentro dessa perspectiva na cidade de São Paulo que, ultrapassa os limites institucionais do Município da Capital, a dinâmica da riqueza já fez as suas opções criando e desenvolvendo os novos centros:

  • a região da Av. Paulista;
  • a faixa sul (Faria Lima, Berrini, Chucri Zaidan, Chácara Santo Antonio) emendando com Santo Amaro;
  • Barra Funda;
Estão em curso novos centros, como o de Santo Andre, eventualmente Osasco e a retomada do centro histórico.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.