Pular para o conteúdo principal

Sou eu que estou pagando!

Já entramos no décimo mês de 2013, o ano está terminando e 2014 vem chegando, como todos os anos com muitas esperanças. Não será um ano comum. Será o ano da Copa, tão esperado, com as maravilhosas perspectivas anunciadas pelas autoridades, endossadas pelos patrocinadores e por consultorias contratadas a peso de ouro, baseadas em ilusões que irão se esfumaçar numa realidade bem diversa do que se prometia.
Com relação ao futuro, sempre se pode prometer tudo, e dirão os otimistas que deve-se sonhar. Ser ousado e ter esperanças.
Mas sem um  bom trabalho, sem muito esforço serão sempre sonhos adiados: de ano para outro. No caso da Copa, a sua realização não pode ser adiada. Não tem saída no "jeitinho brasileiro".
A Copa do Mundo será realizada, organizada com grande competência e, em campo, o Brasil poderá se dar bem, como ocorreu na Copa das Confederações.
Mas será só. 
A situação dos aeroportos em 2014 será calamitosa, com poucas exceções.
A maior parte das obras de mobilidade urbana não ficará pronta, com as obras paralisadas para atestar, de forma concreta,  a incompetência e atrapalhando o trânsito. Felizmente para os visitantes, algumas nem começaram e dessa forma não serão notadas, nem irão atrapalhar. 
A grande desculpa dos Governos, já anunciada, é que as obras não eram para a Copa, mas um legado para as populações das cidades-sede. Se não era para ficarem prontas para a Copa, porque o açodamento nas contratações, atropelando os projetos, criando regimes diferenciados de contratações e aumentando os valores e quantidades. "Todo mundo sabe", mas dessa vez os órgãos de controle não aceitaram argumento de que o "Brasil não podia fazer feio", pois afinal é o "país do futebol", ao detectar as irregularidades embargaram obras, até que essas fossem sanadas. A inexperiência de alguns auditores, mais jovens e dos concursos mais recentes, levou a exageros, porém no geral contiveram a sangria, ainda que o resultado de obras paralisadas.  Só teriam sido mais flexíveis com os estádios, mas deixaram passar "elefantes" escondidos em anexos dos anexos dos contratos das parcerias público-privadas.
Os estádios construídos ou reformados mediante parcerias público-privadas serão todas (talvez com uma única exceção) deficitárias. Porém os administradores não estão preocupados. Só precisam realizar as quotas de jogos comprometidas. Não precisam de público e de renda de ingressos. Tem garantida a sua remuneração.
Todos os prejuízos serão arcados pelos Governos Estaduais, que ficaram com a obrigação de pagar ou cobrir os financiamentos com o BNDES. 
Em 2015 os novos governantes estaduais irão pedir moratória junto ao Governo Federal, para não ter que pagar os empréstimos do BNDES. 
Esse será o grande legado dos magníficos "elefantes brancos" que vão sobressair na paisagem urbana, bem visível aos contribuintes que poderão afirmar com orgulho ou indignação: sou eu que estou pagando!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…