Pular para o conteúdo principal

Os "novayorkistas"

Nas discussões sobre questões urbana há um grupo que denominaria de "novayorkistas" que usam os exemplos daquela maravilhosa/horrorosa cidade para defender a sua aplicação em São Paulo e em outras cidades brasileiras.
Recentemente trouxeram para um evento de Arquitetura a sua guru novayorquina, a Secretária dos Transportes da Cidade (ou seria, segundo Dilma a gurua), com fotomontagem de Times Square, com o seu calçadão, cheio de gente andando por ela e sem congestionamento lateral, dando a impressão de que com as restrições aos veículos as pessoas deixaram de andar por meios motorizados, optando por se deslocar a pé e usando os transportes coletivos. 
Os novayorkistas defendem soluções de mobilidade adotadas na Ilha de Manhattan, mas não concordam com o brutal adensamento verticalizado que ocorreu e ocorre em Nova York, do qual o novo "arranha-céu" que substituiu as Torres Gêmeas seja um caso emblemático.
Só mostram um lado da maçã.
Os calçadões deram certo em Curitiba e foram um desastre em São Paulo.
Em Curitiba foram implantados quando ainda era uma cidade de classe média, com a organização do centro como um shopping center a céu aberto, com um mix de lojas semelhantes aos encontrados nesses novos centros comerciais. 
Dei lá uma entrevista às 7 hs da manhã, sob um frio abaixo de 7 graus e a área já estava viva. Depois circulando pela área, cruzando com muitos transeuntes só encontrei um morador "sem teto" dormindo sob um banco de jardim.
Cenário muito diferente do que se encontra no centro de São Paulo, que frequento por razões profissionais, chegando ao mesmo pelo metrô.
Curitiba é uma das poucas cidades que manteve a vitalidade do centro, diversamente do que ocorreu com outras capitais como Salvador, Fortaleza, Recife, João Pessoa, Rio de Janeiro e Vitória e outras que visitei ainda neste ano de 2013, participando de eventos corporativos. Em todas essas os eventos foram distantes do centro histórico. Em Belo Horizonte ainda foi dentro do centro, mas não no seu miolo, mas na Avenida do Contorno que marca o limite do centro. Em Curitiba, o principal polo hoteleiro continua no centro, com a sua extensão para o Batel, onde foi o evento.
Em São Paulo o calçadão foi a "pá de cal" para afastar definitivamente a riqueza da então área nobre (Rua Barão de Itapetininga e adjacências) com o comércio de luxo, que havia migrado para a Av. Paulista e depois se fixou nas bordas do Rio Pinheiros, substituído por um comércio popular, degradando econômica e fisicamente a região.
Nova York é uma cidade de classe média que convive com pequenos grupos de altíssima renda. É um quadro bem diverso de São Paulo.
Não pode se pretender transferir modelos, sem a devida redução cultural. 
Não há como revitalizar o centro histórico de São Paulo sem fazer retornar a riqueza, que atualmente só ocorre de  forma eventual e esporádica,  em pequena escala quando há espetáculos elitistas no Teatro Municipal ou na Sala São Paulo.
Não há como pretender que a riqueza volte ao centro usando o metrô. 
A cidade precisa oferecer acesso e estacionamentos, o que não é percebida pela visão populista dos atuais governantes da cidade. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.