Pular para o conteúdo principal

Pensar o Brasil

Pensar o Brasil. Ter um projeto nacional é necessário.
Há um razoável consenso em torno dessa necessidade, mas falta quem se disponha a se dedicar, persistentemente, a essa tarefa de "Pensar o Brasil". 
O Governo Federal que teria recursos para reunir "grandes cabeças" tentou, através da Secretaria de Assuntos Estratégicos, mas não levou à frente, limitando o seu trabalho a temas pontuais.
As Universidades não conseguem reunir as "suas cabeças pensantes" porque essas estariam sempre em disputa por aparecerem e brilharem.
Instituições privadas não conseguem essa reunião, seja por falta de recursos, como por falta de motivação - por não conseguir a repercussão desejada. 
Enfim todos concordam mas ninguém faz. 

Duas questões estão entre os principais impeditivos: o primeiro é o viés ideológico: será um projeto de direita ou de esquerda? Quais seriam as diferenças fundamentais entre um e outro. Mas o problema é quem propõe. Se um lado propõe o outro é contra. Por princípio e sem discussões. 
Outra é a perspectiva, onde há duas colocações básicas: uma é a perspectiva utópica, sintetizada na frase "O Brasil que Queremos".
Ao pensar o Brasil do futuro temos que sonhar, temos que ser mais ousados, o que uma visão pragmática tolhe, e definir objetivos e metas audaciosas, de tal forma que a sociedade toda se mobilize para alcançá-la. 
A outra é a perspectiva estratégica, de caráter mais pragmática, deixando de lado as utopias e focando as oportunidades e como gerir as condições para aproveitar essas oportunidades.
O que seria um "Projeto Nacional Estratégico" em contraposição a um "Projeto Nacional Utópico"?
O projeto utópico parte da definição de onde queremos chegar, qual é a visão desejada para o país, num momento futuro. Parte da assertiva de Alice no país das maravilhas  "se você não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve". 
O projeto estratégico parte do seus potenciais dentro do cenário mundial, avaliando as oportunidades e riscos, dentro de uma perspectiva difusa de busca do desenvolvimento e que queremos melhorar sempre e a frase síntese é outra: "el camino se hace, al andar", tirado de um poema de Antonio Machado, um poeta espanhol pouco conhecido mas que teve a sua frase difundida mundialmente pela literatura gerencial.
O maior potencial brasileiro atual é o seu agronegócio. O aproveitamento do seu extenso território fértil ou fertilizável, juntamente com a introdução de tecnologia em todas as dimensões, colocando os seus produtos em todo o mundo, principalmente a soja e as carnes.
Um caminho para o desenvolvimento seria alavancar o crescimento econômico a partir dessa base, ainda competitiva mundialmente.
Apesar dessa condição, ainda é um caminho muito contestado por dois segmentos significativos da sociedade. Os "industrialistas" que no passado conseguiram vencer o projeto nacional baseado na exportação de produtos primários, que prevaleceu por sucessivos anos, para estabelecer a industrialização do Brasil. Esse modelo de grande sucesso se esgotou, não se renovou diante das transformações mundiais e hoje não é mais a principal sustentação do crescimento econômico brasileiro.
Os "industrialistas" defendem que o foco de um projeto nacional deve ser a atualização tecnológica industrial, baseada na inovação e que o agro-negocio, um setor "mais atrasado" não tem capacidade de sustentação para um desenvolvimento continuado.
Um projeto nacional baseado no agro-negócio seria um "retorno ao passado", sem perspectivas de longo prazo, mantendo o país como um pais menos desenvolvido e dependente dos países mais desenvolvidos, ou atualmente da China, que ainda é um pais emergente como o Brasil, mas que teria um crescimento sustentável, baseada na industrialização moderna, de baixo custo, com apoio tecnológico, porém ainda dependente de imensa mão-de-obra de baixa remuneração.
De outra parte, o projeto baseado no agronegócio é contestado pelos ambientalista porque a sua expansão se faz pelo avanço sobre um ambiente natural que deveria ser preservado. O agro-negócio, mais a carne do que a soja, seria o principal responsável pelos elevados índices de desmatamento na Amazônia, assim como no cerrado.
O Brasil não só estaria produzindo mais produtos exportáveis, mas também grande desertos. Segundo os mais catastrofistas o Brasil do futuro seria um enorme deserto, com graves implicações ambientais e sociais: voltaria a fome, pela improdutividade das terras gastas e exploradas intensa e inadequadamente.
O agronegócio, adicionado ao setor florestal, ainda é combatido pelos "movimentos sociais rurais" que o acusam de tirar a terra disponível para a produção de alimentos humanos básicos, para focar na produção de bens para animais. Os mais pobres estariam passando fome, à margem das grandes propriedades, supridoras das fábricas de celulose.
Esses movimentos tiveram o auge durante o Governo Lula, que lhes deu um grande apoio, mas arrefeceram por conta dos fracassos na produção dos alimentos básicos a que se propuseram, nos seus assentamentos, levando à perda de apoio governamental. 

(Vamos tentar nos dedicar, nos próximos dias, a desenvolver as alternativas de Projeto Nacional, segundo a perspectiva estratégica, começando com o alavancado pelo agronegócio).







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…