Pular para o conteúdo principal

Definitive rupture

What is most scaring the PT was not only the coalition of Marina Silva with Eduardo Campos, but the tone of herspeech. Furious, disgusted and outraged, despite the mild and meek ​​words herused.

The big coup perpetrated by Lula and the PT, realizing the flaws of Marina Silva and his supporters or sympathizers in the collection of signatures was avail themselves of the law to get her out of the game.

Ceasing to be a candidate, most of its nearly 20 million voters would votepreferably  forDilma and a large part would not vote for AécioNeves or any other PSDB candidate.

PT-certificate owners do not vote in toucan, in no way (“Tucano”, Toucan, is the flag symbol of PSDB). A large proportion of “marinists!” voters were from PT.

With no Marina Silva in the dispute they would return to vote in the PT, providing Rousseff victory in the first round. If, perhaps, the election went to the second round, Eduardo Campos also would return to the alliance with the PT, leaving AécioNeves isolated.
Anyway without Marina Silva in dispute, the re-election of Dilma would be assured.

But the PT coup eventually resulted in a "shot in the foot."

Marina Silva led literally to the famous phrase rendered toGetúlio Vargas and already frequently used here: "to the friends everything, to enemies the rigor of law."

She realized her naivety in the process of collecting signatures, because she didn’t accept the alerts that the Notaries were having suspicious activity. She preferred to believe in the honesty and seriousness of the Electoral Notaries, in the same way they were defended by the President of the Superior Electoral Court, Minister Carmen Lucia.

But perceiving the effectiveness of the coup accepted it as an undeclared war and expressed it publicly.

Her speech is a definitive break with the PT. She understood that was treated as an enemy and now wants to destroy the contender. She felt betrayed in trust.

She engaged in the movement "enough of PT", in alliance with Eduardo Campos and indirectly with AécioNeves.

Her subliminal speech to the “Mariniers’- Marina’s supporters” is "do not vote in PT": it is our enemy.



Or not to be so radical: "It treats us as enemies."

Just see the manifestations placed on the social network. They have no diplomacy or Marina’s politeness.

Despite this, many will continue voting in PT, by tradition and seduction.

And befriending with Eduardo Campos she offers an alternative to those who do not want to vote for AécioNeves, a “toucan”.

Without the votes of large part of “Marinier’s”, especially the young, Dilma will have great difficulty in winning in the first round, although can outvote each of each other.

Going into the second round Dilma will face the alliance of the "no more PT", which will have greater possibility to win.


PT’s coup resulted a victory of Dilma that seemed certain, into more problematic with the removal of Marina Silva out of game.

Dilma will have to take good care of her reaction and the following moves, to fix the damage and not make the situation worse.


(versão de Flávio Musa de Freitas Guimarães)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.