Pular para o conteúdo principal

Vão ficar prontos?

Os estádios para a Copa 2014 vão ficar prontos?
Dentro dos prazos programados não. Para a Copa, provavelmente.
O prazo estipulado e comprometido com a FIFA é dezembro de 2013, mas a própria entidade já percebeu que as promessas de prazos brasileiras tem uma interpretação elástica. 
Chegar até 10 minutos após o horário aprazado para um compromisso de negócio não é considerado atraso. Para compromissos pessoais, 30 minutos é o normal. Se for uma festa marque para uma hora antes, pelo menos, e espere os convidados chegarem depois de uma hora.
Para os brasileiros, uma conclusão de uma grande obra aprazada para o fim de dezembro de 2013 significa que poderá entregar até o final de março de 2014, para os males da úlcera de Jèrome Valcker e dos patrocinadores.
Dos doze estádios, seis ficaram prontos para a Copa das Confederações e já vem recebendo jogos. O de Brasília terá que parar para refazer o gramado. Os demais já estão aptos, requerendo, se necessário, pequenos ajustes. 
Dos seis ainda em obras, apenas um está com ritmo satisfatório, e sem percalços, para entregar no prazo, apesar de ter sido o último a iniciar as obras: Natal. Teria seguido o modelo internacional de gastar mais tempo com o projeto e depois executar as obras com tudo planejado e sem percalços. Teria também assegurado o fluxo financeiro, mediante uma PPP com uma principais construtoras brasileiras, com suficiente fôlego financeiro para desenvolver a obra com continuidade.
Os estádio do Internacional, em Porto Alegre e o do Corinthians, em São Paulo, está praticamente prontos. Não há problemas de engenharia para cumprir os prazos. No caso de Porto Alegre, haveriam ainda problemas contratuais com a construtora, porém sanáveis a tempo, para a entrega, possivelmente em dezembro, mas provavelmente com mais algum tempo para os acabamentos no entorno. Esses seriam de responsabilidade da Prefeitura.
O Itaquerão está praticamente pronto e a parte do Corinthians estará pronta, até o final de dezembro, apesar de não ter recebido, até agora o financiamento do BNDES. Não seria essencial para concluir as obras, nem os empreendedores querem, porque junto com o dinheiro do BNDES chegam os auditores do TCU com poderes de mandar suspender as obras. Ademais o BNDES está no "olho do furacão" com o fracasso da estratégia de promover os "campeões". É até prudente o Corinthians, um verdadeiro campeão, entrar no rol dos fracassados como o Grupo X, a OI e outras. O financiamento, provavelmente, só sairá no ano fiscal de 2014. 
Mas o estádio para a abertura não estará pronto até o final de dezembro: faltarão as arquibancadas adicionais.
O estádio de Manaus deverá ficar pronto, ultrapassando um pouco o prazo, mas não sem sofrimentos e sustos.  O ritmo de execução ainda é insatisfatório, segundo o levantamento feito pelo Portal 2014. E ainda há problemas de  natureza financeira e de eventuais irregularidades contratuais. Provavelmente o governo manauara terá que utilizar verbas orçamentárias de 2014. Mas não há impasses, com os órgãos de controle.
Dois estádio estão enfrentando impasses que poderão levar a atrasos maiores do que o tempo de prorrogação normal.
Vão para os pênaltis e, como costumam dizer os cronistas futebolísticos é uma loteria. Os governos não podem desperdiçar nenhum dos chutes.
O Governo do Mato Grosso enfrenta três problemas simultâneos para concluir a Arena Pantanal: insuficiência de recursos orçamentários para enfrentar as duas grandes obras com o qual se comprometeu: o estádio e o VLT; a baixa capacidade de suporte de atrasos financeiros das construtoras contratadas, sendo uma das participantes do consórcio já "quebrou" e teve que sair do jogo e as sucessivas paralisações por conta de supostas irregularidades.
A Arena da Baixada enfrenta um impasse econômico, com uma pendência sobre os valores de participação pública no estádio. Ademais o ritmo de execução está baixo. Juntamente com a Arena Pantanal serão os entregues com maior atraso e ainda irão requerer um esforço concentrado dos governos para "não passar vergonha". Mas no caso de Curitiba há ainda uma disputa eleitoral, com interesse do Governo Federal em colocar a culpa no Governo Estadual.
O estádio é privado, mas o embate é público.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…