Pular para o conteúdo principal

Os atrasos nas obras públicas vão interferir nos resultados das eleições de 2014?

Aparentemente o PAC 1 influiu favoravelmente para a eleição, em 2010, de Dilma Rousseff, "vendida" pelo marketing politico-eleitoral como a "mãe do PAC".
 O PAC 2 será um elemento positivo ou negativo para Dilma em 2014?
Em 2010 ela foi a "mãe" de um filho bem sucedido. Depois de muitos anos de paralisação dos investimentos público em infraestrutura, o PAC 1 representou um grande avanço e uma enorme visibilidade de realizações governamentais.
O Brasil havia retomado o seu ritmo de crescimento, havia a sensação de que "afinal" estava decolando em direção ao seu glorioso e merecido desenvolvimento, alcançando uma posição de topo entre todos os países do mundo. 
O Brasil havia "descoberto as maiores reservas de petróleo", até então conhecidas, tornar-se ia inteiramente auto-suficiente e até exportador, com Lula antecipando a discussão sobre a tal "doença holandesa" e a questão da distribuição dos royalties.
Dilma , em 2010, significava a continuidade de um Governo, economicamente bem sucedido, segundo o imaginário popular e o povo a elegeu.
O que estará no imaginário popular em 2014? O que influenciará nas eleições? 
Esse não é formado pela verdade dos fatos, porém pelas suas versões.
Em função disso o Governo usa imensos recursos, das sua verbas de publicidade, assim como dos discursos governamentais para "vender" a sua versão.
O quanto essa movimentação conseguirá ou não convencer o povo terá influência sobre o voto do eleitor, em 2014.
A oposição tentará mostrar que o Governo Dilma foi uma frustração, não cumprimento o que dele se esperava. As grandes esperanças do Brasil teriam se "esfumaçadas".
O Governo, do outro lado, se empenha e se empenhará em mostrar o lado positivo, usando o momento atual para "vender" a ideia do grande sucesso do leilão de Libra, concretizando a grande transformação esperada.
O fato é que a operação Libra, como leilão, foi um fracasso, pois esse não ocorreu, com a apresentação de uma única proposta, pelo valor mínimo. Por outro lado foi um sucesso porque houve uma proposta, com a participação de dois importantes grupos privados (Shell e Total) não ocorrendo uma licitação vazia, como os pessimistas esperavam. Cada parte tentará vender a sua versão do fato.
Por outro lado, qualquer resultado efetivo só ocorrerá a partir de 2016 e há o risco do "efeito Eike Batista". Ou seja, grandes promessas, grandes expectativas e esperanças e quando afinal os seus poços começaram a produzir a produção efetiva foi bem menor que o previsto. A frustração levou ao baque do Grupo X e, junto com ele, a imagem do país junto aos investidores, tanto nacionais como internacionais.
Poucos contestaram as versões de Eike. O imaginário popular (e não popular) acreditou na versão do novo herói empresarial brasileiro, um novo "Barão de Mauá". Só não lembrou que esse também acabou falido.
O que prevalecerá no imaginário do eleitor, em 2014?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…